outros pioneiros

 

 Jacques Vallee

Notas Biográficas
Jaques Vallee nasceu em França em 1939. Estudou matemáticas na Sorbonne. Dedicou-se à literatura de ficção científica tendo publicado o  livro " Le Sub Espace" editado por  H. Gallet, director do "Rayon Fantastique", recebendo o prémio "Jules Verne" de 1961.

Observações (1961)

Depois de ter obtido a sua licenciatura em matemáticas Vallée partiu para Lille para tirar uma licenciatura em astrofísica. Foi discípulo de Aimé Michel. Durante os seus trabalhos de campo do referido curso de astrofísica, Vallée observou vários ovnis. Ele observou-os através do seu teodolito e comentou o facto aos seus colegas :

"Les objets que nous suivions au théodolite n'étaient pas spectaculaires. Ils se comportaient comme des satellites artificiels, mais leur orbite était rétrograde et l'on arrivait presque jamais à les retrouver. A cette époque, aucun pays au monde n'avait de fusée assez puissante pour lancer un satellite rétrograde. Et la probabilité était infime pour qu'il s'agisse d'astéroïdes capturés par hasard par l'attraction terrestre (les américains ont dans leurs dossiers des plaques photographiques montrant un de ces satellites inconnus sur 2 orbites successives) [Le Collège Invisible]"

          Mas o que o espantou mais foi o comportamento dos cientistas que o acompanhavam: a única preocupação deles foi desvalorizar as suas observações e negá-las. Depois de ter provado que aqueles objectos não podiam ser aviões ele assistiu um dia, dentro dum observatório à destruição dos filmes dos objectos não identificados observados durante a noite. Indignado comentou - "A atitude do director do  observatório não tem nada de cientifico"


Mais informações biográficas 
sobre Jaques Vallee no site:

  http://membres.lycos.fr/rr0/ValleeJacques.html

 

Grande autoridade no estudo dos OVNIs, o astrofísico Jacques Vallee, declarou no seu livro "Confrontations" 

que estamos na presença de um nível desconhecido de consciência exterior ao homem mas muito próximo. Para ele, os "Ovnis" não serão simples espaçonaves de uma raça de visitantes extraterrestres. Para ele, tal noção é "demasiado simplista". Terá de existir algo mais para explicar o fenómeno. Diz ele:
"A experiência de um encontro pessoal com um OVNI é uma provação física e mental medonha. Tem efeitos traumáticos que vão muito além do que o consciente da testemunha recorda . A partir daí desenvolvem-se novos tipos de comportamento e de crenças São enormes as conseqüências sociais, políticas e religiosas das experiências se forem consideradas, não nos dias ou semanas que se seguirem ao encontro, mas no período de uma geração"