INTRODUÇÃO

Em Portugal, a generalidade das pessoas desconhece o envolvimento crescente da comunidade escolar e científica no estudo e tratamento objectivo das experiências humanas relacionadas com estes temas. Trata-se de um inventário, regularmente actualizado, que inclui monografias, teses de licenciatura, de mestrado e doutoramento sobre aspectos directa ou indirectamente ligados a matérias adjacentes aos fenómenos “celestes” de todos os tempos.
Pseudo cépticos, tal como pseudo cientistas ou crentes incondicionais em extraterrestres, poderão estranhar ou pretender ignorar que, afinal, haja exemplos de estudos sérios, criteriosos e desapaixonados deste problemática, que tem evidente impacto na sociedade e na forma como gerimos o nosso encontro com as margens, sempre crescentes, do desconhecido.
Face à dificuldade de análise directa dos fenómenos que estão na base dos relatos de observação de fenómenos “não identificados”, a maioria das teses aqui apresentadas integram-se no espectro das disciplinas ciências humanas e sociais e também cognitivas. As experiências individuais e colectivas face ao que se desconhece ou não reconhece, num momento dado, encontram um progressivo acolhimento por parte das academias, mormente nos países de maior índice cultural e científico e de maior abertura à inovação. Da Antropologia à Psicologia, passando pela História e a Religião, um vasto conjunto de análises é já hoje prática corrente no trabalho corrente das instituições onde se preza acima de tudo o desafio e a descoberta.

Registe-se que nesta lista se inclui uma monografia de licenciatura realizada na Universidade Fernando Pessoa, na área das Ciências da Comunicação, sobre um evento aeroespacial não identificado e o seu tratamento jornalístico,
bem como o primeiro doutoramento, a ser apresentado muito em breve na Academia portuguesa, sobre a temática do Extraterrestre”.
Sem comprometer os desígnios essenciais da função investigadora e a objectividade da Ciência, é importante que os portugueses ais inconformistas - contra quaisquer dogmas - conheçam e retirem ensinamentos destes trabalhos universitários. Entre nós, o CTEC e a Universidade Fernando Pessoa chamaram a si essa função pioneira de abrir a Academia a este problemas que,  precisamente por carecerem de teorização disciplinar podem e devem ser motivo de estímulo e exploração intelectual. Podemos adiantar que estão em curso trabalhos inéditos, de grande investimento e de teor multidisciplinar, tendo por alvo o acervo histórico das observações de “não identificados” em Portugal, cobrindo o período de 1940 até 2000. A seu tempo daremos notícia destes desenvolvimentos.


Joaquim Fernandes
 (CTEC) - Universidade Fernando Pessoa